O Teatro Brasileiro - um pequeno resumo

Blog de marcosalves :teatro em todos os tempos por Marcos Alves, O Teatro Brasileiro - um pequeno resumo

                    O jesuíta José de Anchieta com o objetivo de catequizar os índios brasileiros, utilizava recursos teatrais, assim começava a história do teatro no Brasil, teatro didático religioso, com o intuito de pregar a nova religião para os indígenas, no período barroco, século XVI, no início do Brasil colonial. As peças apresentadas por Anchieta eram encenadas pelos índios em tupi-guarani, português e espanhol. Alguns textos da dramaturgia de Anchieta são: Na Festa de São Lourenço , Pregação Universal , A Santa Inês, Na Vila da Vitória . Mistério de Jesus e O Rico Avarento e o Lázaro Pobre.

              O teatro brasileiro a partir daí começou a evoluir e no século XVII era perceptível uma diversificação, peças eram trazidas da Espanha e encenações em língua portuguesa. Vê-se nesse período obras teatrais escritas por Manoel Botelho de Almeida, o baiano e Antônio José da Silva, o Judeu, que tinha suas  peças encenadas no Teatro do Padre Ventura, no Rio de Janeiro.
            As peças populares eram encenadas nas praças por artistas amadores em ocasião de datas festivas ou homenagens a alguma autoridade.
Em 1808,  com a chegada da família real portuguesa, surgiam os primeiros teatros.
O primeiro ator e dramaturgo a se destacar foi João Caetano. Carioca, nascido em 1808, interpretou clássicos de autores do teatro como Shakespeare e Molière, além de autores brasileiros. Hoje, a sala de teatro do Rio de Janeiro, que anteriormente se chamava de Real Teatro São João, construída em 1810 por determinação do imperador D. João VI, leva o nome de João Caetano, em homenagem ao dramaturgo.
           Os circos brasileiros mais antigos organizaram-se na segunda metade do século XVIII. Em 1828, Manuel Antônio da Silva apresentou um espetáculo de dança sobre um cavalo a galope em uma residência particular.
           Surgem, com a Independência, os primeiros textos de autores e temáticas nacionais, inaugurando mais uma fase do teatro brasileiro, no período do Romantismo. Os textos abordavam temas sobre a vida religiosa e os costumes da sociedade da época, com ênfase a literatura cotidiana e histórica do país. como por exemplo: “Antônio José” ou “O Poeta e a Inquisição”, de Gonçalves de Magalhães em 1838 – Drama; e “ O Noviço” de Martins Pena em 1845 – comédia, além de outros autores como Leonor de Mendonça, Castro Alves e Joaquim Manuel de Macedo
             

             Em meados do século XIX, mais uma fase do teatro brasileiro que embalada pelo Realismo, dá vazão a autores como Machado de Assis e Aluisio de Azevedo fazem uma crítica às elites brasileiras através de uma  literatura recheada de humor e sarcasmo.
                As peças escritas por Arthur de Azevedo traz um enredo baseado nas questões político-sociais do país, entre as quais A Capital Federal e O Mambembe , até hoje montadas em nossos teatros.
              Após o período da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), surgem os grandes autores como Leopoldo Fróes, fundador da primeira companhia brasileira de teatro.
              

              Já no final do século XIX, teve início a construção dos grandes teatros brasileiros inspirados na Ópera de Paris, como o Teatro Amazonas (1896), o Theatro Municipal do Rio de Janeiro (1909) e o Theatro Municipal de São Paulo (1911).                     

             Nesses locais, em princípio, encenavam-se obras eruditas, óperas, orquestras, apresentações de grupos e artistas estrangeiros.             

            Hoje esses teatros são mais ecléticos, recebem todo tipo de espetáculos, do clássico ao regional.Na década de 40, os métodos de direção de um dos maiores diretores de teatro russo se espalharam graças aos atores do leste europeu que refugiaram-se no Brasil, introduzindo o método de Constantin Stanislávski no Teatro Oficina, no Rio de Janeiro.               

              Nas décadas de 30 e 40, o Brasil é tomado pelo gênero humorísticos, as companhias teatrais se concentravam em torno de um ator carismático que tinha domínio de palco, uma comunicação direta com o público e conhecimento da arte do improviso. Nestas companhias destacam-se Procópio Ferreira, Jaime Costa e Dulcina de Morais que são exemplos.         

              Nos anos 40, uma vontade geral de transformar esse modo de fazer teatro se propaga por grupos amadores, formados por universitários, intelectuais e profissionais liberais. Décio de Almeida Prado funda o Grupo Universitário de Teatro. Alfredo Mesquita dirige o Grupo de Teatro Experimental e funda a primeira escola de atores do Brasil, a EAD - Escola de Arte Dramática, em São Paulo. Os amadores começam a reconhecer que a arte teatral carecia de técnica e textos encenados e impulsionam o projeto das escolas especializadas em teatro.
                Em 1943, a montagem de Ziembinski, para Vestido de Noiva, transformou o papel do diretor de teatro no Brasil e a obra de Nelson Rodrigues revolucionou a dramaturgia brasileira.
                Franco Zampari, italiano radicado no Brasil desde 1922, engenheiro das indústrias Matarazzo. Em 1945, Zampari escreve uma peça de teatro chamada "A Mulher de Braços Alçados" que apresenta para um grupo seleto de amigos e o que o impulsiona a enveredar-se no ramo teatral.

              Em 1948 fundou, juntamente com um grupo de empresários paulistas, o Teatro Brasileiro de Comédia (TBC) em São Paulo, transformando um casarão em teatro, com 365 lugares aparelhado com 18 camarins, duas salas de ensaio, uma sala de leitura, oficina de carpintaria e marcenaria, almoxarifados para cenografia e figurinos, além de modernos equipamentos de luz e som. Contratou técnicos da Europa, diretores, cenógrafos e iluminadores que ensinaram e formaram profissionais no Brasil. O TBC passa a ser gerido por uma equipe fixa, com encenadores estrangeiros como Adolfo Celi, Ziembinski, Ruggero Jacobi, Luciano Salce e Flamínio Bollini Cerri. Além de cenógrafos, iluminadores e cenotécnicos, contrata um corpo de atores que inclui Cacilda Becker, Sérgio Cardoso, Nydia Lícia, Cleyde Yáconis, Paulo Autran, Tônia Carrero e muitos outros nomes importantes para o teatro. Zampari expande o ramo teatral para o cinema criando a Companhia Cinematográfica Vera Cruz.

               A história do TBC e da Vera Cruz se misturam e a utilização dos funcionários é a mesma de um e de outro.                       

               Na noite de 11 de outubro , o TBC estréia com espetáculo duplo. "A Voz Humana", monólogo de Jean Cocteau, interpretado em francês pela atriz Henriette Morineau. Completa a apresentação a peça "A Mulher do Próximo", escrita e dirigida por Abílio Pereira de Almeida. No elenco está a jovem atriz Cacilda Becker, que mais tarde se torna um dos maiores mitos do teatro
                  O TBC passa a ser referência formando excelentes profissionais e influenciando os Teatro de Arena e o Teatro Oficina. O TBC passa a ser um marco da história do teatro brasileiro. O TBC entra em colapso por causa das constantes crises econômicas, fecha suas portas em 1964.
                As questões sociais passaram a ser discutidas nas peças brasileiras nos anos 50. Nelson Rodrigues despertou polêmica com peças consideradas escandalosas. Ariano Suassuna inovou com o teatro regionalista e de temática social-religiosa.
                 

               Nesse período diversas companhias se formam como o Teatro Popular de Arte, de Maria Della Costa; a Cia. Nydia Lícia-Sérgio Cardoso; o Teatro Cacilda Becker e a Companhia Tônia-Celi-Autran. Alfredo Mesquita funda também nesse período a Escola de Arte Dramática (EAD) em São Paulo.
             O Teatro de Arena foi fundado em na década de 50 em São Paulo. Novos elementos na dramaturgia brasileira são utilizados, destacando as montagens de peças como Eles Não Usam Black-Tie, de Gianfrancesco Guarnieri.
             

              Sob a liderança de Augusto Boal, o Arena forma novos autores e adapta textos clássicos para que mostrem a realidade brasileira em forma de teatro de protesto. Nesta fase o teatro brasileiro implantou o sistema curinga, no qual desapareceu a noção de protagonista, em trabalhos como Arena Conta Zumbi (1965) e Arena Conta Tiradentes (1967), que abordavam acontecimentos históricos nacionais.            

               O Arena fechou suas portas em 1970 com o regime militar.
              A metáfora foi um caminho encontrado pela classe artística para driblar a censura imposta pelo novo regime. Com isso apareceram grupos, atores e diretores irreverentes com uma nova forma de expressão. O dramaturgo Fauzi Arap escreveu peças sobre a homossexualidade.
             No Rio de Janeiro destaca-se Asdrúbal Trouxe o Trombone, cujo espetáculo Trate-me Leão retratava a geração de classe média carioca.
                Em São Paulo surge a Royal Bexiga's Company e o grupo Pod Minoga, formado por alunos de Naum Alves de Souza, com a montagem coletiva Folias Bíblicas , em 1977.
                Em 1979 a censura perde a força e algumas peças proibidas nesse período são liberadas. A montagem de Rasga Coração , de Oduvaldo Vianna Filho, teve estréia nacional, no dia 21 de setembro do mesmo ano, no Guairinha.
              Na década de 80 o teatro sofreu influência do pós-modernismo, tendo como expoente o dramaturgo Gerald Thomas. Montagens como Carmem com Filtro , Electra com Creta e Quartett apresentavam ironias sofisticadas e concepções ousadas.
             Já na década de 90 houve a necessidade de um retorno aos clássicos, as encenações mostraram tendências à visualidade e o retorno gradativo à palavra.
              O experimentalismo alcança sucesso de público e crítica nos espetáculos Paraíso Perdido (1992) e O Livro de Jó (1995), de Antônio Araújo, encenadas em um hospital e uma igreja. A técnica circense também é adotada por vários grupos em seus espetáculos.
        

 

                                             

domingo 18 março 2007 21:28



76 comentário(s)

  • tielly Qua 08 Out 2014 14:34
    muito bom ...me ajudou muito
    obrigada!
  • tielly Qua 08 Out 2014 14:34
    muito bom ...me ajudou muito
    obrigada!
  • denner mailto Ter 30 Set 2014 01:28
    ai nam tem nd de pequeno resumo nesse karalho affs
  • Cléa Silva mailto Ter 12 Ago 2014 20:38
    que resumo é esse em????
  • hellen mailto Qua 06 Ago 2014 20:45
    muito bom , mas de pequeno nao tem nada
  • cynerlanya mailto Ter 05 Ago 2014 12:53
    meu deus isso e um resumo nem quero ver o texo
  • wilames mailto Qua 23 Jul 2014 01:03
    nossa como é pequeno
  • kaylanw mailto Ter 10 Jun 2014 22:06
    esse resumo e muiito grande e ainda falao que e pequeno
  • Julia Dom 08 Jun 2014 03:48
    Adorei. Estava precisando para apresentação de um seminário sobre o teatro na década de 80. Este apanhado que você fez vai nortear minhas pesquisas. Muito bom.
  • legal mailto Qui 22 Mai 2014 18:38
    ata, isso é um resumo sim ,legal
    até parece que eu vou copiar tudo isso!


Seu comentário :

(Opcional)

(Opcional)

error

Importante: comentários racistas, insultas, etc. são proibidos nesse site.Caso um usuário preste queixa, usaremos o seu endereço IP (54.196.62.132) para se identificar     



Abrir a barra
Fechar a barra

Precisa estar conectado para enviar uma mensagem para marcosalves

Precisa estar conectado para adicionar marcosalves para os seus amigos

 
Criar um blog